Essa pagina depende do javascript para abrir, favor habilitar o javascript do seu browser! Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Sala de Imprensa > Notícias > Anais dos Colóquios Habermas e de Filosofia da Informação em acesso aberto
Início do conteúdo da página

Em dezembro, o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e o Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (Ibict) assinaram um acordo de cooperação para a criação de um repositório de dados científicos, o Lattes Data.

Em entrevista, Bianca Amaro, coordenadora geral de Pesquisa e Manutenção de Produtos Consolidados (CGPC) do Ibict, explica sobre a importância da parceria para a Ciência Aberta no Brasil e detalha o funcionamento do repositório Lattes Data.

Confira!

Comunicação Social - Qual a importância da parceria entre CNPq e Ibict para a promoção da ciência aberta no Brasil e para o fortalecimento das redes em ciência e tecnologia?

Bianca Amaro: A parceria é um marco em vários aspectos. Primeiramente, é um marco para fortalecer a integração entre as entidades ligadas ao MCTIC. Para o CNPq, é um marco considerando que, como uma das principais agências de fomento à pesquisa do Brasil, estará sendo pioneiro em uma iniciativa de organização e de reutilização de dados. Para o Ibict, também é um marco esse acordo de cooperação porque, enquanto órgão federal responsável pela organização e disseminação da informação científica e tecnológica, ao desenvolver ações conjuntas com o CNPq, com o objetivo de organizar o que seria o núcleo básico de uma pesquisa científica, estará cumprindo com a sua missão de órgão provedor da infraestrutura de informação em ciência e tecnologia para o país.

Comunicação Social - Em relação às expectativas em curto, médio e longo prazo para as ações relacionadas ao Acordo de Cooperação, quais são?

Bianca Amaro: Em curto prazo, espera-se a criação e a implantação do repositório de dados do CNPq, que é o Lattes Data. Essa é a primeira ação do nosso foco de desenvolvimento. Em médio prazo, será a distribuição dessa tarefa de gestão dos conjuntos de dados entre as instituições de ensino e pesquisa. Em longo prazo, pretende-se a atuação conjunta em outras ações relacionadas com a Ciência Aberta. Ou seja, não somente o tratamento dos conjuntos de dados científicos, mas também tudo aquilo relacionado ao acesso aberto, à informação científica, e também todas as questões relacionadas à produção científica em si mesma. A parceria será muito importante porque, dessa forma, pouco a pouco nós vamos mudando o ciclo de como é encarado e vivido o ciclo da comunicação científica nos moldes dos países desenvolvidos.

Comunicação Social – Como o Lattes Data pode contribuir para a promoção da Ciência Aberta no Brasil?

Bianca Amaro: Ele é fundamental para a promoção da Ciência Aberta no Brasil, considerando que, assim, nós também estaremos alinhados com as iniciativas internacionais de organização da ciência em repositórios de dados abertos. Há que se considerar o peso que possui o CNPq no desenvolvimento da pesquisa brasileira. Então, a partir do momento em que uma agência nacional adota e coloca em prática essa política de Ciência Aberta, ela, de certa maneira, está organizando e falando para os seus pesquisadores como é que eles devem se comportar para maior intercâmbio de dados de pesquisa a fim de que as pesquisas possam ser não somente reproduzíveis, mas também para que a coleta daqueles dados possa ser reutilizada por outros pesquisadores em outros estudos, otimizando, assim, o tempo de desenvolvimento e obtenção de resultados, como também propiciando uma economia de recursos muito grande aplicada à pesquisa.

Comunicação Social - Poderia explicar o diferencial do Lattes Data? Qual a vantagem dele para os pesquisadores e os estudantes em geral?

Bianca Amaro: O diferencial do Lattes Data é que ele é uma iniciativa em nível nacional. Logo, nós estamos estabelecendo uma política para o governo federal, que, inclusive, tem trabalhado em dados abertos governamentais. Os dados científicos que são produzidos com recursos públicos podem ser encarados também como dados governamentais, uma vez que essas pesquisas existem porque o governo investiu recursos no desenvolvimento dessas ações.

Com o Lattes Data, por exemplo, um estudante pode fazer uma pesquisa desde a universidade ou até antes mesmo, e poderá reutilizar dados e gerar novas pesquisas com muita agilidade. Nós temos a vantagem de poder, tanto os estudantes como os pesquisadores, replicar aquela pesquisa. Isso promove o aumento de qualidade da pesquisa científica brasileira. E também representa uma economia porque, se eu já investi na coleta, não vou precisar mais investir nisso. E o mais importante de tudo, promove uma aceleração do desenvolvimento científico. Assim, as pesquisas podem ser realizadas de maneira mais célere, e todos poderão ser beneficiários dessas ações. É importante notar também que é uma resposta à sociedade. A sociedade vai ter a possibilidade de ver onde os recursos que são investidos na pesquisa estão sendo utilizados. É transparência e resposta à sociedade.

Comunicação Social - Qual o impacto futuro para as agências financiadoras de pesquisa com o Lattes Data?

Bianca Amaro: O impacto é imenso porque, a partir do momento em que o Lattes Data se torne a primeira iniciativa em nível federal de uma agência de fomento, passa a ser um modelo para as demais agências de fomento não só em nível federal, mas também municipal e estadual. O Brasil, portanto, vai conhecer seus dados de pesquisa. Todo esse movimento de Ciência Aberta não foi criado pelo Brasil. É um movimento mundial que está sendo capitaneado pelos países desenvolvidos. Então, qual é a situação que nós temos hoje? Atualmente, os nossos pesquisadores são incentivados a internacionalizar as suas pesquisas e estão tendo que depositar seus dados de pesquisa em repositórios institucionais, porque isso, hoje em dia, já é uma exigência internacionalmente.

Se um pesquisador quer publicar em várias revistas ou quer receber financiamentos, depois terá que depositar os dados referentes àquela pesquisa em um repositório de dados. Ocorre que esses dados estão sendo depositados lá fora e nós não temos conhecimento deles. E também será uma forma de “tirarmos os dados de pesquisa da gaveta do pesquisador”. Hoje em dia, o pesquisador desenvolve uma pesquisa, termina esse trabalho e aí se pergunta, mas onde estão os dados? Muitas vezes, esses dados ficam no computador pessoal do pesquisador e, na maior parte das vezes, se perdem e não podem mais ser acessados nem reutilizados.



Patrícia Osándon
Núcleo de Comunicação Social

Publicado em Notícias

O Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (Ibict) marcou presença no evento Acesso Fiat, com a apresentação do projeto Vida em Movimento.  O evento, realizado sábado, 23 de novembro, no espaço Quintal, no Clube de Golfe de Brasília, foi promovido pela montadora Fiat com o objetivo de levar informações sobre questões de acessibilidade para pessoas com deficiência e pessoas com doenças raras , como leis, direitos e benefícios.

 

Em um bate papo descontraído, conduzido pelo radialista Toninho Pop, Bianca Amaro, coordenadora geral de pesquisa e manutenção de produtos consolidados do Ibict e coordenadora do projeto, e Natan Monsores, coordenador do Observatório de Doenças Raras da Universidade de Brasilia (Unb), instituição parceira,  falaram da proposta do projeto, das razões dele existir, dos desafios e da importância da união com outras instituições.

 

Na ocasião, apresentaram o portal Vida em Movimento, ainda em fase de desenvolvimento, como uma das ações do projeto cuja proposta é ser um espaço de apoio online, interativo e com informação confiável, onde as pessoas que vivem e convivem com as doenças raras e/ou as deficiências, sejam elas afetadas, familiares, profissionais ou estudiosas do tema, possam se sentir atendidas. Nele o usuário pode encontrar informações de maneira simples e clara, tais como direitos, benefícios, pesquisas científicas, orientações e serviços, ou ainda, trocar vivências e tirar dúvidas.

 

Para Natan Monsores, Vida em Movimento vem ao encontro da solução para um dos maiores desafios que este setor enfrenta, que é traduzir o conhecimento. “É fundamental trazer os termos do “cientifiquês” e do “mediquês”, muitos até impronunciáveis, para uma linguagem acessível para o grande público, de forma palatável e de fácil compreensão. Poder contar com um portal assim, que disponibiliza as informações de forma clara e em acesso aberto, é um grande avanço para todos que lidam com estas condições.”, explicou  

 

Já Bianca Amaro, radiante com os benefícios que este encontro representa, destacou que parcerias como está, com interlocutores que trabalham com o conteúdo, são de grande valia para o desenvolvimento do projeto, pois vêm a somar com a especialidade do Ibict, que é de organizar e disseminar informações. Para ela, a missão do portal de ser uma vitrine e ferramenta de apoio representa um grande diferencial no universo das doenças raras e deficiências. “Nada melhor do que saber que você não está sozinho e que tem um espaço acolhedor, com respaldo institucional de entidades idôneas da área de pesquisa, para se informar, se apoiar e compartilhar sua luta.”, pontuou Bianca.

 

Segundo Cecília Leite, Diretora do Ibict, a instituição está trabalhando para que o portal possa estar em pleno funcionamento ainda no primeiro semestre de 2020, atendendo a carência de informações confiáveis desta camada da população. “Para que o Portal Vida em Movimento possa alcançar seu objetivo, de ajudar e orientar este público, como portal de referência, será necessária a colaboração de todos os setores da Sociedade para a sua alimentação contínua e ampla divulgação.” , disse a diretora.

 

Cláudia Andrade

Núcleo de Comunicação Social

Publicado em Notícias
Fim do conteúdo da página